Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

Gestão e Tecnologia Industrial

A importância da substituição de equipamentos

Sebastião Vieira do Nascimento

Professor (titular por concurso) aposentado da UFCG/PB

Logística Descomplicada - www.logisticadescomplicada.com

Substituição de equipamento é um conceito amplo que abrange desde a seleção de ativos similares, porém novos, para substituir os existentes, até a avaliação de ativos que atuam de modos completamente distintos no desempenho da mesma função. Exemplificando, caminhões velhos podem ser substituídos por modelos novos que operam de maneira semelhante. Poderá, entretanto, ocorrer que esses caminhões possam ser substituídos pelos serviços de uma transportadora. Poderão ainda ser alugados ou seu serviço poderá ser feito por um guindaste ou manualmente, desde que haja viabilidade econômica.

As decisões de substituição são de uma importância crítica para a empresa, pois são em geral irreversíveis, isto é, não têm liquidez e comprometem grandes quantias de dinheiro. Uma decisão apressada de “livrar-se de uma sucata” ou o capricho do possuir sempre o “último modelo” podem causar problemas sérios de capital de giro.

Mas por que estudar substituição de equipamentos? Primeiro, porque é um problema que ocorre em todas as empresas, em geral em maior intensidade nas indústrias, e cada decisão é muito importante. Não é só isso, porém. Aqui a utilização dos métodos do Valor Presente Líquido (VPL) e do Valor Anual Uniforme Equivalente (VAUE) exige maior cuidado do que nos exemplos clássicos. Em substituição de equipamentos, de acordo com o tipo de problema, haverá vantagens claras de se escolher um método em detrimento do outro. A escolha do método do VPL, por exemplo, não é conveniente para determinar a vida econômica de um equipamento como será mostrado mais adiante.

As Razões de Substituição de Equipamentos

Existem várias razões não exclusivas entre si que tornam econômica uma substituição de equipamentos.

A deterioração é uma das causas, e se manifesta por custos operacionais excessivos, e custos de manutenção crescente.

Há situações nas quais, com a mudança de uma operação corrente, um equipamento perde a capacidade de operar eficientemente, isto é, o equipamento torna-se inadequado.

Em enquetes informais realizadas em cursos de engenharia econômica, ministrados para gerentes industriais, segundo CASAROTTO FILHO (2000), “constatou-se que muitas empresas brasileiras (provavelmente a maioria) têm o costume de manter os equipamentos velhos em funcionamento, mesmo quando sua operação não é mais economicamente viável. As despesas de manutenção em geral superam em muito o valor dos investimentos. Acredita-se que existe atualmente no Brasil um potencial enorme de redução de custos simplesmente desfazendo-se de equipamentos obsoletos com tempos de operação muito elevados ou produzindo fora das especificações. Acredita-se que as empresas não fazem as substituições que deveriam fazer por causa de um comodismo administrativo: as decisões de substituição não chegam a ser cogitadas, pois o estilo administrativo dominante ainda é o de resolver os problemas só em último caso, e não se antecipar a eles. As empresas preferem os bombeiros às soluções mais racionais”.

Vida Econômica e Vida Útil de um Bem

A vida econômica de um bem, segundo DEGARMO (1973),  “é o período de tempo (geralmente em anos) em que o custo anual uniforme equivalente de possuir e de operar o bem é mínimo. Os bens, como equipamentos e instalações, desgastam-se com o uso, necessitando cada vez mais de manutenção. Assim, é de esperar que os custos operacionais aumentem com o passar do tempo”.

Vida útil de um bem, segundo DEGARMO (1973),  “é o período de tempo em que o bem consegue exercer as funções que dele se espera. A vida útil depende de como o bem é utilizado e mantido”.

A vida econômica refere-se aos custos globais em que a empresa incorre para manter em operação certo equipamento. Enquanto a vida útil diz respeito à capacidade física de produção de certo equipamento.

Em outras palavras, pode se diz que a vida econômica de um bem corresponde ao tempo de utilização do bem, capaz de produzir com menor custo para a empresa, e que certamente, é menor ou igual à sua vida útil, cujo conceito encontra-se associado ao limite possível de uso do bem.

Por exemplo, talvez ainda hoje (ano 2010) seja possível encontrar um conservado Fusca modelo 1976 rodando por nossas estradas, demonstrando a todos, para orgulho de seu proprietário, que sua vida útil ainda prosseguirá por vários anos, quando sua vida econômica há muito tempo já se esgotou.

A determinação da vida econômica de um bem é, na verdade, bastante simples: calcula-se o CAUE (Custo Anual Uniforme Equivalente) para cada ano da vida útil, e em seguida escolhe o menor CAUE.  O ano em que o CAUE é mínimo, corresponde à vida econômica do bem. Como acontece, freqüentemente, em finanças, é melhor esclarecer esse cálculo com a ajuda de um exemplo, do que apresentar explicações adicionais.

Baixa com Substituição por Equipamento Idêntico

Na baixa com substituição por equipamento idêntico, a função desempenhada pelo equipamento continua após a sua baixa. Para que não haja confusão com o item seguinte – baixa com substituição por equipamento diferente – vamos enunciar o problema da seguinte maneira: uma firma vai adquirir um bem novo e deseja saber por quanto tempo deverá usá-lo antes de substituí-lo por um idêntico. Vejamos o exemplo.

Exemplo 1. Uma Companhia tem uma frota de carros, todos da mesma marca X. Como não há alterações importantes nas características dos carros, de um ano para outro, a Companhia considera-os idênticos, independente do ano de fabricação. Um levantamento nas fichas de manutenção (a Companhia mantém uma ficha para cada carro) permitiu estimar os custos (manutenção e operação) em cada um dos  cinco anos de vida que se admite que o carro possa ter, segundo a tabela abaixo:


 
Sabendo-se que a taxa mínima de atratividade da Companhia é de 10% a.a., pergunta-se: durante quanto tempo a Companhia deve usar o carro antes de substituí-lo por um idêntico?



 Cálculo do VPL e do CAUE usando as fórmulas financeiras

VPL =  – 10000 + (8000 –  600) (1,1)-1 =  – 3272,73 u.m.

CAUE =  –3272,73 x 0,1/[1 –  (1,1)-1] = – 3600 u.m. (O sinal negativo significa saída de caixa, ou seja,  o CAUE  = 3600 u.m.).

Cálculo do CAUE usando a HP-12C

ON f CLx  (Limpa o registrador)

10000 CHS gCFo (Armazena o valor da época zero com sinal trocado)

8000 ENTER 600 – gCFj (Armazena a diferença, 8000 – 600,  da época 1)

1 gNj  (Informa que existe apenas um valor para armazenar)

10i (Armazena a taxa no registrador)

f NPV (O número que aparece no visor é o VPL)

CHS VP  (Troca o sinal do VPL e introduz o VP para encontrar o PMT)

10i (Armazena a taxa no registrador para calcular o PMT)

1n (Armazena o tempo durante o qual se vai usar o carro. No presente caso um ano)

PMT (Valor do CAUE, ou seja, – 3600)

 

Cálculo do VPL e do CAUE usando as fórmulas financeiras

VPL =  – 10000 – 600(1,1)-1 + (7200 – 720) (1.1)-2 =  – 5190 u.m.

CAUE = – 5190 x 0,1/[1 – (1,1)-2] =  – 2990 u.m.

Cálculo do CAUE usando a HP-12C

ON f CLx 10000 CHS gCFo 600 CHS CFj 1gNj 7200 ENTER 720 – gCFg 1gNj 10i f NPV CHS PV 10i 2n PMT (Valor do CAUE, ou seja,  – 2990 u.m.)

Calculando o CAUE para os restantes dos anos, obtém-se  a seguinte tabela:
 

Como o CAUE no sexto ano é mínimo, logo,  a vida econômica do carro é de seis anos. Sendo assim, a melhor alternativa é substituir o carro a cada seis anos.

Baixa com Substituição por Equipamento Diferente

Neste caso, como no anterior, a função desempenhada pelo equipamento continua após sua baixa. O enunciado do problema é: uma Companhia possui determinado bem e quer saber por quanto tempo ainda deve utilizá-lo antes de substituí-lo por outro, de características conhecidas.

Na literatura norte-americana, utiliza-se o termo Desafiante ou Atacante para indicar o ativo novo que está sendo cogitado para substituir o Defensor que é o que é o ativo existente. Esses termos serão os adotados neste texto.

Quando a substituição por desafiante diferente está sendo considerada, (COSTA, 1984), há duas possibilidades:

a. o defensor já atingiu a vida econômica;

b. o defensor ainda não atingiu a vida econômica.

No primeiro caso, a substituição deverá ser realizada imediatamente por desafiante diferente, se este apresentar CAUE referente à vida econômica com valor inferior ao CAUE referente à vida econômica do defensor. Observe-se que se a substituição por  desafiante diferente não for economicamente viável, o desafiante idêntico deve ser  imediatamente adquirido. De qualquer forma nenhum equipamento deverá ser utilizado além de sua vida econômica.

No segundo caso, como o defensor ainda não atingiu sua vida econômica, a substituição por idêntico está descartada, considerando-se exclusivamente a substituição por desafiantes diferentes. Nessa situação, é necessário decidir:

a.    se a substituição por diferente é economicamente viável;

b.    se viável, em que época deverá ser realizada a substituição.

A primeira decisão baseia-se nos CAUEs referentes às vidas econômicas do defensor e do desafiante. O desafiante deve substituir o equipamento em uso se apresentar menor custo quando ambos são comparados na melhor hipótese, ou seja, quando se considera que ambos sejam mantidos por período igual às respectivas vidas econômicas. Para essa finalidade, o procedimento de cálculo da vida econômica, mostrado anteriormente, deverá ser aplicado a ambos, defensor e desafiante.

Se o menor CAUE de algum desafiante diferente for inferior ao menor CAUE do defensor (CAUEs referentes às vidas econômicas), então, a substituição por esse desafiante diferente configurar-se-á interessante – é evidente que, se vários desafiantes diferentes apresentarem CAUE, na vida econômica, inferior ao CAUE do defensor, é necessário considerar apenas o mais favorável. Isso mostra a necessidade de um trabalho contínuo de análise de todos os possíveis substitutos para certo equipamento. É necessário, então, determinar a época economicamente mais apropriada.

A determinação da época ótima de substituição por desafiante diferente, pode ser feita comparando-se o CAUE da alternativa de manter por mais 1, 2, 3, … k períodos o defensor, com o CAUE da alternativa de dispor do desafiante operando por período igual à sua vida econômica. O exemplo a seguir esclarecerá melhor os pontos acima abordados.

Exemplo. Suponhamos que o carro da marca X, cuja vida econômica foi determinada como sendo de seis anos, correspondendo ao CAUE mínimo de 2.628 u.m., esteja em operação há dois anos, e que esteja sendo considerada a substituição por um carro da marca Y que apresenta características conforme tabela abaixo:



Calculando o CAUE para o carro da marca Y, da mesma maneira como foi calculado para o carro da marca X, obtém-se os seguintes resultados:



Observa-se imediatamente que o desafiante apresenta perfil de custo mais vantajoso, com vida econômica também igual a seis anos e CAUE mínimo igual a 2586 u.m. Portanto, a comparação dos CAUEs referentes às vidas econômicas, indica que o defensor deverá ser substituído pelo desafiante. É necessário, então, determinar a época mais vantajosa.

Uma vez que o defensor está em operação há dois anos, a escolha da época mais vantajosa para substituí-lo pode ser realizada calculando-se os CAUEs das decisões de mantê-lo por mais um, dois, três ou quatro anos, quando ele atinge sua vida econômica.

Extraindo os dados da tabela 1, a partir do segundo ano até o sexto ano (ano correspondente à vida econômica do carro da marca X), obtém-se a seguinte:



Pela tabela 6, observa-se que para manter o carro da marca X por mais 1, 2 ou 3 anos, o CAUE será, respectivamente, de 2304 u.m., 2318 u.m. e 2346 u.m. Portanto, menor que o CAUE mínimo do carro da marca Y. Conclui-se que o desafiante não deverá substituir o defensor nos próximos três anos (ou seja, no quinto ano).

Por outro lado, manter o defensor por mais quatro anos (ou seja, sexto ano) o CAUE será de 2.764 u.m.; maior que o CAUE mínimo do desafiante. Portanto, o defensor deverá ser mantido por mais três anos, ou seja, o defensor deverá ser substituído pelo desafiante no fim do quinto ano (é evidente que durante esse período de três anos deverá ser considerada a possibilidade de surgir outra substituição mais vantajosa).

Baixa sem Substituição

No problema de baixa sem substituição, a função desempenhada pelo equipamento não mais será executada após a baixa.

Deixamos este item por último, em virtude de não ser conveniente utilizar o método do CAUE para estudos de baixa de equipamentos, segundo CASAROTTO FILHO (2000). O estudo de baixa de equipamentos é feito pelo método do Valor Presente Líquido (VPL), já que este método não é conveniente para determinar a vida econômica de um bem.

Um equipamento poderá deixar de ser econômico antes de atingir sua vida física, e não ser desejável sua substituição. O critério de decisão na baixa sem substituição será:

O ativo deverá ser mantido por mais um período se o VPL de sua manutenção neste período for maior que zero.

O cálculo do número de períodos – usualmente anos – em que o ativo deve ser mantido, envolve, pois, o cálculo do VPL de manutenção do ativo no primeiro período, no segundo período, e assim por diante, até que se obtenha no período n: VPL < 0. O ativo deverá, então, ser substituído no período n – 1.

Exemplo. Foram estimados os seguintes valores de custos (de operação e manutenção) e receitas relativos à manutenção de um ativo nos próximos três anos.

Ano                    Valor de Venda        Custos               Receitas

0                             500 u.m.*                –                        –

1                            400 u.m.               200 u.m.             400 u.m.

2                             320 u.m.               300 u.m.             400 u.m.

3                             250 u.m.               400 u.m.             400 u.m.

*u.m.(unidade monetária)

Supondo que a taxa mínima de atratividade é de 10% a.a., determinar quando o ativo deverá ser substituído.

Manter o ativo durante um ano

A manutenção do ativo durante um ano, implica investir 500 u.m. agora (deixar de receber é, no caso, o mesmo que investir) para receber 400 u.m. (venda) mais  200 u.m. [400 u.m. (receita) –  200 u.m.(custos)] no fim de um ano.

Cálculo do VPL (na época zero) usando a fórmula financeira:

VPL =  – 500 + 600 (1,1)–1 = 45,45 u.m.

Cálculo do VPL (na época zero) usando a HP-12C

ON f CLx 500CHSgCFo 600gCFj 1gNj 10i f NPV (VPL = 45,45 u.m.)

Vale a pena manter o ativo durante um ano, pois VPL = 45,45 u.m. > 0.

Manter o ativo durante dois anos

Manter o ativo durante dois anos, implica um investimento de 400 u.m. (no ano 1) para receber 320 u.m. mais 100 u.m. um ano depois.

Cálculo do VPL (na época 1) usando a fórmula financeira:

VPL =  – 400 + 420 (1,1) –1 =  – 18,18 u.m.

Cálculo do VPL usando a HP-12C

ON f CLx 400CHSgCFo  420gCFj 1gNj 10i f NPV (VPL =  –  18,18 u.m.).

A conclusão, no presente exemplo, é que o ativo deve ser substituído no fim do ano um, já que no fim do ano dois o VPL é negativo.

CONCLUSÃO

A abordagem apresentada no presente trabalho, foi desenvolvida não se levando em consideração a natureza e as conseqüências da evolução tecnológica. Em baixa sem reposição, analisou-se aquelas situações em que um ativo está se desvalorizando em virtude da evolução dos produtos ou processos. O estudo da substituição por ativo idêntico, deve ser utilizado nos casos em que, praticamente, não há evolução tecnológica. Quando se reconhece que os novos ativos são mais aperfeiçoados, mas não é possível detectar uma tendência de evolução contínua, o estudo recomendado é o de substituição por ativo diferente.

Outras observações cabem, tais como riscos e incertezas de uma alternativa em relação à outra. A análise econômica, de alternativas para substituição , é baseada na hipótese de que risco e incerteza são semelhantes para as diversas alternativas em consideração.

Para avaliar todo o estudo de substituição de ativo, a empresa deverá ter dados históricos do desempenho dos ativos existentes. Haverá, é claro, ainda a necessidade de um estudo periódico, para detectar as necessidades de substituições de ativos, ou seja, de um sistema de administração de custos (manutenção e operação) que informe as necessidades de substituição de ativos.

A literatura consultada, sobre substituição de ativos, existem livros escritos por autores brasileiros que ministraram cursos de engenharia econômica, para gerentes industriais, e constataram que muitas empresas brasileiras (provavelmente a maioria) têm o costume de manter os equipamentos velhos em funcionamento mesmo quando sua operação não é mais economicamente viável. As despesas de manutenção em geral superam em muito o valor dos investimentos. Acreditam, esses autores, que existe atualmente no Brasil um potencial enorme de redução de custos simplesmente desfazendo-se de equipamentos obsoletos com tempos de operação muito elevados  ou produzindo fora das especificações e, além disso, as empresas não fazem as substituições que deveriam fazer por causa de um acomodamento administrativo: as decisões de substituição não chegam a ser cogitadas, pois o estilo administrativo dominante ainda é o de resolver os problemas só em último caso e não se antecipar a eles. As empresas preferem os bombeiros às soluções mai
s racionais.

O autor acredita que o acomodamento administrativo das empresas em não fazerem as substituições que deveriam fazer, é causado, também, pela complexidade como é abordado, nos compêndios de engenharia econômica, o assunto sobre substituição de ativos. O assunto é abordado com um algebrismo financeiro tão complexo, que impede os gerentes industriais de terem um embasamento , mesmo parcial, do assunto abordado.

Finalmente, fica uma observação: em todos  os exemplo apresentados, o estudo de substituição de ativos foi feito sem se levar em consideração o imposto de renda e, como também, a taxa interna de retorno.

Na prática, o estudo de substituição de outros ativos deve ser feito após o imposto de renda, a fim de obter resultados válidos, pois algumas vantagens fiscais podem influenciar a tomada de decisão.

Por outro lado, a empresa pode encarar quaisquer decisões de investimento: decisões de substituição de  um equipamento existente ou oportunidade de investimento a alguma taxa interna de retorno (ou taxa mínima de atratividade)  por outra alternativa que indique um retorno maior sobre o investimento.

BIBLIOGRAFIA

CASAROTTO FILHO, Nelson. Análise de investimentos: matemática financeira, engenharia econômica, tomada de decisão, estratégia empresarial. – 9.ed. — São Paulo: Atlas, 2000.

COSTA, Paulo Henrique Soto. Análise de projetos de investimentos. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúkio Vargas, 1984

DEGARMO, E. Paul & CANADA, John R. Engineering economy. 5. Ed. New York, Macmillan Publishing Co., Inc., 1973.

NASCIMENTO, Sebastião Vieira do.  Engenharia econômica: técnica de avaliação e seleção de projetos de investimentos. Rio de Janeiro: Editora  Ciência Moderna  Ltda., 2010.



 

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo