Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

:: Gestão de Projetos

Responsabilidade Social e sua implantação em projetos educacionais voltados para centros de apoio à população

Rony de Oliveira Moreira

 MBA em Gestão de Projetos pelo IETEC

RESUMO

 

Este trabalho apresenta conceitos de responsabilidade social e a aplicação dos principais processos que envolvem sua implantação em projetos educacionais voltados para centros de apoio à população. Sua finalidade principal é analisar a importância da responsabilidade social e sua implantação básica na elaboração de projetos pedagógicos, proporcionando uma ideia sobre a composição do conjunto a ser elaborado, as demandas técnicas, assim como a contratação dos professores e demais profissionais de educação, criação dos programas dos cursos e outros assuntos que visam atender as necessidades das partes interessadas.
Palavras-chaves: Implantação; Projeto; Responsabilidade Social.
 
1 INTRODUÇÃO
 
O conceito de responsabilidade social vem sendo utilizado em larga escala, porém, muitas vezes, de forma inapropriada. Sua aplicabilidade pode ser feita de modo deturpado, no qual as empresas que realizam uma ação filantrópica, uma campanha social sazonal ou uma esporádica doação em dinheiro se auto intitulam “responsáveis socialmente”.
Além da postura legal que a empresa deve cumprir, suas ações de responsabilidade social corporativa devem não só privilegiar a comunidade em seu entorno, mas também considerar uma mudança de atitude na perspectiva da gestão estratégica, com foco na ética e qualidade das relações e na geração de valor para todos, inclusive valor de imagem para a empresa.
O conceito de responsabilidade social implica:
a) competitividade;
b) ética;
c) gestão estratégica;
d) transparência.
 
Neste contexto, o presente artigo propõe a implantação básica de um projeto educacional de responsabilidade social, contendo as demandas técnicas para a implantação da parte pedagógica de um centro de apoio, assim como a contratação do corpo docente, criação dos programas dos cursos e demais assuntos da parte educacional.
 
2 CONCEITOS BÁSICOS
 
A responsabilidade social é quando empresas ou corporações adotam, voluntariamente, comportamentos e ações que promovam o bem-estar dos seus públicos externo e interno. Nessa visão, o conceito envolve o benefício da coletividade, seja ela relativa ao público interno, como os funcionários, acionistas, etc., ou externos, como a comunidade, parceiros, meio ambiente, etc.
A maior parte das empresas que adotam postura socialmente responsável aufere um crescimento mais sustentável, ganhos de imagem e visibilidade e são menos propícias a litígios ou problemas judiciais. Apesar disso, são muitos os críticos ou céticos desse movimento.
No intuito de estimular a responsabilidade social empresarial, uma série de instrumentos de certificação foram criadas nos últimos anos. Num mundo cada vez mais competitivo, empresas vêm vantagens comparativas em adquirir certificações que atestem sua boa prática empresarial. A pressão por produtos e serviços socialmente corretos faz com que empresas adotem processos de reformulação interna para se adequarem às normas impostas pelas entidades certificadoras. Entre algumas das certificações mais cobiçadas atualmente temos:
a) NBR 16001 - estabelece requisitos mínimos relativos a um sistema de gestão da Responsabilidade Social, permitindo à organização formular e implementar uma política e objetivos que levem em conta as exigências legais, seus compromissos éticos e sua preocupação com a promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável, além da transparência das suas atividades;
b) NBR 16002 e 16003 - fornece orientações aplicáveis para a competência dos auditores envolvidos com o sistema de gestão preconizado pela NBR 16001;
c) SA 8000 - enfoca, primordialmente, as relações trabalhistas e visa assegurar que não existam ações como trabalho infantil, trabalho escravo ou discriminação ao longo da cadeia produtiva;
d) ISO 26000 - oferece orientações relacionadas a sete princípios norteadores de responsabilidade social: “Accountability”, transparência, comportamento ético, respeito pelos interesses das partes interessadas, respeito pelo Estado de Direito, respeito pelas Normas Internacionais de Comportamento e o Direito aos humanos.
A responsabilidade social é um tema antigo, porém foi nas últimas décadas que este assunto teve ascensão entre as empresas. Essa consciência aumentou à medida que os órgãos governamentais não atendiam as necessidades reais da sociedade.
 
3 MÉTODOS
 
Após a construção de um centro de apoio e, obtida a liberação junto aos órgãos governamentais (principalmente o Ministério da Educação e Cultura – MEC), a equipe de implantação do projeto é acionada para fazer os serviços necessários para iniciar as atividades. Será necessária a criação dos conteúdos programáticos dos cursos oferecidos e a contratação dos profissionais de educação.
O conteúdo programático será definido a partir da determinação do objetivo geral de cada curso e de seus objetivos específicos, considerando-se o diagnóstico da realidade e das necessidades do público alvo.
Na sua seleção deve-se observar:
a) adequação, coerência e atualização;
b) maior flexibilidade, permitindo alteração, adaptação, renovação e enriquecimento;
c) adequação às expectativas e experiências dos participantes;
d) aplicabilidade do conhecimento, proporcionando seu uso posterior.
O corpo docente e demais profissionais são selecionados e contratados levando em consideração suas qualificações, a missão e visão da instituição contratante. É importante que os professores, pedagogos e monitores possuam os seguintes objetivos:
a) estar sempre interagindo com os alunos;
b) dinamizar ao máximo as atividades;
c) avaliar cada tarefa, sem deixar que as atividades se acumulem muito;
d) incentivar a participação alunos em todas as atividades;
e) explicar detalhadamente cada atividade;
f) colocar-se sempre à disposição para eventuais dúvidas;
g) acompanhar sistematicamente o desenvolvimento dos alunos.
A empresa contratada para fazer essa implantação deve seguir as melhores práticas do gerenciamento de projetos do PMI e toda a estrutura do sistema educacional deve estar de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental (DCNEF) e as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (DCNEM).
O processo de implantação baseia-se em três premissas básicas: adesão da comunidade ao projeto (reconhecimento), contratação dos profissionais de educação e a criação do conteúdo programático para a execução dos cursos do centro de apoio à população.
As restrições baseiam-se nos seguintes elementos:
a) os cursos deverão iniciar e finalizar semestralmente (acompanhando o ano letivo escolar);
b) os alunos deverão ter frequência mínima de 80% e estar devidamente matriculados em instituições de ensino público;
c) os alunos deverão ter a partir dos sete anos de idade.
Para a obtenção dos resultados esperados, é primordial o gerenciamento da qualidade que contenha os seguintes objetivos:
a) atender em 100% o escopo do projeto;
b) cumprir 95% do orçamento estipulado;
c) evitar retrabalho num intervalo de 3% de erro;
d) respeitar 100% das normas de qualidade exigidas para a execução das atividades do projeto;
e) selecionar profissionais qualificados para o melhor aproveitamento dos alunos;
f) criar matrizes curriculares que atendam às diretrizes curriculares nacionais fixadas pelo MEC.
Outras áreas do Gerenciamento de Projetos poderão ser estudadas e analisadas. Por exemplo: melhor orçamento, custo dos serviços, aquisições, etc.
 
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS
 
As práticas sociais têm sido desenvolvidas para suprir as necessidades do país, porém o foco destas ações tem buscado outros resultados além do bem estar social. As empresas têm tido estas iniciativas para também beneficiar-se junto as comunidades, através de estratégias administrativas que buscam o resultado através de lucro máximo e o marketing social diante de todos. Também pode-se confirmar que não são por incentivos governamentais que as empresas têm buscado ajudar a sociedade, pois são poucos incentivos fiscais que o governo oferece.
Atualmente, os consumidores têm procurado não apenas empresas e produtos qualificados, mas também a opção tem sido por empresas que façam alguma ação benéfica para a comunidade em que está inserida.
O grande diferencial de ser socialmente responsável é perceber que obter lucros à custa da degradação ambiental ou do prejuízo da sociedade ou ainda através do prejuízo da saúde dos seus funcionários é o caminho para o fracasso e gera prejuízos incalculáveis.
Portanto, as ações sociais que as empresas têm praticado são desenvolvidas não só para atender aos motivos humanitários, mas principalmente para promover estrategicamente a organização de forma que a mesma obtenha melhores índices com estas ações.
Sendo assim, as práticas sociais têm sido desenvolvidas cada vez mais não pela precariedade existente no país, mas principalmente são implantadas para promoção da empresa como estratégia administrativa.
 
REFERÊNCIAS
 
1. MELO, Cristiana Malfacini; GOMES, Eduardo Rodrigues. NBR 16001: A norma brasileira de gestão da responsabilidade social.
2. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 16001: Responsabilidade Social: Sistema da gestão: Requisitos. Rio de Janeiro, 2004.
3. Artigo O que é responsabilidade social? Disponível em http://www.responsabilidadesocial.com/o-que-e-responsabilidade-social/ em 27/08/2014.
4. ASHLEY, Patrícia. Ética e responsabilidade social nos negócios. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2005.
5. CAMARGO, Mariângela Franco de. Gestão do terceiro setor no brasil. São Paulo: Futura, 2001.
6. CAVALCANTI, Marly. Et al. Gestão social, estratégias e parcerias. São Paulo: Saraiva, 2006.
7. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. 6.ed. Rio de janeiro: Campus, 2000.
8. DRUKER, Peter Ferdinand. Administrando em tempos turbulentos. 2 ed. São Paulo: Pioneira, 1998.
9. MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Teoria geral da administração. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2000.
10. TACHIZAWA, Takesshy. Gestão ambiental e responsabilidade social. Corporativa. 3ed. SãoPaulo:Atlas,2005.

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo