Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

A importância da seleção das tecnologias Construtivas na construção civil: aplicabilidade das vip’s em projetos de engenharia civil

Thiago Campos Barreiros

Pós-graduado em Engenharia de Planejamento pelo Ietec

RESUMO

Apesar de a construção civil ter representado 15,5% do PIB brasileiro em 2014 de acordo com o CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção) e ser muito importante para economia nacional como fonte de emprego e renda, ainda é um setor de moderada a pouca maturidade em gerenciamento de projetos segundo a ABEPRO (Associação Brasileira de Engenharia de Produção). O diagnóstico elaborado pela associação leva em conta um estudo que em 2015 analisou os resultados de oito construtoras de Sergipe, sendo que outras pesquisas mais profundas, como o relatório da MPCM (Maturity by Project Category Model), confirmam esse dado. A pesquisa sobre a maturidade das empresas da indústria da construção feita em 2010 conclui que 77% pontuaram entre um e três em uma escala de cinco pontos. A falta de um melhor gerenciamento em projetos imobiliários acaba gerando problemas, como baixa produtividade, excesso de retrabalhos, pouca otimização dos recursos humanos e financeiros, e até uma elevada produção de resíduos. Neste cenário, o artigo demostra, através de um estudo de caso, a aplicabilidade das VIP’s (Value Improving Practices) propostas pelo IPA (Independent Project Analisys) em projetos de engenharia civil, de maneira a explicitar a importância de se selecionar a melhor tecnologia construtiva desde a fase conceitual do projeto. Existem várias maneiras de se construir um mesmo empreendimento, e cada processo possui vantagens e desvantagens que se mostram mais ou menos aderentes às especificidades de cada projeto, sendo que, o sucesso na escolha dos mesmos, pode representar também o sucesso do projeto em si.  

Palavras-chave: Gerenciamento de Projetos. Construção Civil. Seleção de Tecnologia.

 

 

 

 

 1. INTRODUÇÃO

 O gerenciamento de projetos atualmente é uma disciplina reconhecida pela sua efetividade na otimização de projetos em variadas áreas, sendo que setores como indústria, energia e mineração estiveram na vanguarda em sua aplicação por compreenderem a maioria dos projetos de capital. Organizações como o IPA (Independent Project Analisys) e o PMI (Project Management Institute), ao longo de anos, propuseram as boas práticas que guiaram estes projetos de alto valor e, agora, as mesmas estão sendo aplicadas também aos pequenos projetos.

 

É neste cenário que entra a construção civil brasileira, um setor que precisa se tornar
mais eficiente, porém ainda enfrenta muita dificuldade. Além de problemas externos, como a enorme burocracia para inicialização de projetos, taxas públicas muito elevadas e um alto grau de variação e incerteza na conjuntura econômica nacional, existem fatores internos que dificultam a aplicação de boas práticas gerenciais. Neste caso, a aplicabilidade dessas práticas não é tão direta e exige certo grau de análise, pois na maioria dos casos, os empreendimentos imobiliários, independente do tamanho, passam mais de um ano sendo legalizados, e quando finalmente estão aprovados não sobra mais tempo para que se possa planejar ou desenvolver um gerenciamento e controle completo. Deve-se então analisar quais práticas realmente agregam valor efetivamente ao produto final e este artigo visa demonstrar que a seleção da melhor tecnologia ainda na fase conceitual tem um alto potencial em gerar economia e aperfeiçoar o projeto como um todo, tornando-o mais lucrativo para a organização. 

 

Atualmente, existem no mercado variados métodos construtivos, desde os mais tradicionais e artesanais aos mais modernos e industrializados. O momento em que será especificado quais destes processos serão utilizados depende de cada projeto e de cada gestor, porém, conforme será demonstrado no estudo de caso, é uma boa prática fazê-lo ainda na etapa conceitual para aumentar o potencial de agregação de valor, pois assim toda a engenharia básica e detalhada já será desenvolvida em compatibilidade com o processo mais adequado. Ou seja, ao invés de se escolher o processo construtivo dentro das restrições que os desenhos técnicos apresentam, é selecionada a tecnologia construtiva mais eficiente e desenvolve-se toda a engenharia considerando a escolha previamente tomada.

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo