Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

Identificação de Riscos em Projetos de Usinas Solares Fotovoltaicas

Frederico José de Oliveira

Pós-graduado em Gestão de Projetos pelo Ietec.

RESUMO

A política energética brasileira tem sido alterada várias vezes nos últimos anos, e essas ações se itensificaram depois que as regulamentações para acesso à rede por meio de geração distribuída foi instaurado. Assim, o atual quadro jurídico conduz a uma maior complexidade do processo administrativo nos projetos de energias renováveis, principalmente energia solar fotovoltaica. Esta situação criou um novo cenário em termos de gestão de riscos. Com isso, aliado ao grande custo (CAPEX) de tais instalações, é necessária a realização de uma análise de risco preliminar durante a concepção do projeto para verificação dos impactos que fatores internos e externos podem trazer para o ciclo de vida da planta. A primeira parte deste artigo é um resumo do estado da arte e uma revisão das várias metodologias existentes para a análise de risco em projetos com incerteza elevada, como é o caso de sistemas fotovoltaicos. Para a identificação de riscos em projetos de construção de grandes usinas solares fotovoltaicas, inicia-se um estudo baseado no conhecimento e na experiência nacional e internacional adquirida por quatro especialistas em projetos de energia solar fotovoltaica. Para verificar a funcionalidade do modelo, é desenvolvido um estudo de caso do projeto de construção de uma usina solar fotovoltaica de 321,98 MW localizada na cidade de Cassilândia/MS.

PALAVRAS-CHAVE: Identificação de risco. Usinas fotovoltaica. Estruturas hierárquicas.
 
INTRODUÇÃO
Desde a adoção da resolução normativa REN 482/2012 e REN 687/2015 pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), em que se procede a regulamentação de gerações distribuída no Brasil (ANEEL, 2012; ANEEL, 2015), o futuro da energia solar fotovoltaica permanece desconhecido. Apesar do crescimento do setor de energias renováveis, cogeração e biomassa, o segmento carece do cumprimento da regulação por parte das concessionarias de energia. A ausência de um quadro regulamentar específico para a energia solar fotovoltaica introduz uma nova variável que, juntamente com o intrínseco de grandes projetos de construção de energia, exige uma identificação de riscos em uma fase ainda conceitual do projeto.
 

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo