Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

Desafios das Micro e Pequenas Empresas na Adoção da Filosofia Lean

Ana Carolina da Silva

RESUMO
 
Diante do atual cenário da economia brasileira, a corrida pelo aumento da competitividade enfrentado pelas empresas se tornou mais acirrada e fundamental para a permanência de alguma delas no mercado. Para as micro e pequenas empresas o cenário é ainda mais critico, pois são as primeiras a sentirem os impactos das crise, forcando as a buscarem por alternativas que as torne mais competitivas. Dentro desse contexto, uma metodologia que têm ganhado visibilidade, apesar de não ser atual, nas micros e pequenas empresas é a lean manufacturing. Entretanto existem
algumas barreiras que impedem as MPE’s a adotarem essa filosofia em seus processos. O objetivo desse artigo é a elucidação dos principais desafios enfrentados pelas MPE’s na adoção do Lean.
 
PALAVRAS-CHAVE:
 
Lean manufacturing. Micro e pequenas empresas. Desafios. Implantação.
 
INTRODUÇÃO
 
O Brasil foi apontado como o país com o maior número de empreendedores entre os países que constituem o BRIC e o G20,
segundo pesquisa realizada pela Global Entreprenuership Monitor (GEM,2010) e divulgada pelo SEBRAE. Atualmente os pequenos negócios, se somados, representam cerca de 30% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro totalizando um número de 9 milhões de micro e pequenas empresas. Esses valores têm apresentando crescimento acentuado no decorrer dos últimos 14 anos (SEBRAE, 2014). Os números se demonstraram ainda mais expressivos quando observou se que no ano de 2015, em meio a uma das maiores crise econômica e política que o país já enfrentou, a taxa registrada de empreendedorismo no país foi de 39, 3%, o que significa que quatro em cada dez brasileiros possuem a uma micro/pequena empresa ou encontra se envolvido na
criação de uma (SEBRAE, 2014). Em relação ao mercado de trabalho, as micros e pequenas empresas (MPE’s) possuem um papel socioeconômico incontestável, uma vez que correspondem a 52% dos empregos formais no Brasil, gerando assim cerca de 40% da massa salarial brasileira (SEBRAE, 2014). Ao analisar os dados fica evidente a expressão das MPE’s no cenário econômico brasileiro. É o que acredita Luiz Barreto, presidente do SEBRAE, ao dizer: “Os dados demonstram a importância de incentivar e qualificar os empreendimentos
de menor porte, inclusive os Microempreendedores Individuais. Isoladamente, uma empresa representa pouco. Mas juntas elas são decisivas.”. Ainda que seja grande a representatividade das MPE’s no contexto da economia brasileira, diante do atual cenário econômico do Brasil é exigido cada vez mais que as mesmas se tornarem mais competitivas em relação às empresas nacionais de grande porte bem como empresas internacionais. Esse desafio impulsiona as MPE’s a buscarem novas alternativas de sobrevivência para se adaptarem às mudanças para permanecerem no mercado. Grandes empresas como Toyota, Nestlé, Embraer e Nivea adotaram estratégias gerenciais que visavam a excelência operacional em seus processos como forma de se manterem competitivas e que contribuírem para ganhos na produtividade. Dentre as estratégias que auxiliaram essas empresas, encontravam se aquelas fundamentadas no Filosofia Lean ou Lean Thinking. Segundo o Lean Institue Brasil, Lean Thinking (Pensamento Enxuto) é uma filosofia de gestão inspirada em práticas e resultados do Sistema de Produção Toyota. Taiichi Ohno, engenheiro da Toyota no Japão após a segunda guerra mundial, foi o criador e implantador do pensamento enxuto dentro do setor de manufatura, dando origem então ao Lean Manufacturing (Produção Enxuta), que seria a aplicação da filosofia Lean para processos produtivos de massa da empresa automobilística. Embora Ohno tenha sido o criador do Lean Manufacturing, o termo “Lean” só foi apresentado, pela primeira vez, no livro ”A máquina que Mudou o Mundo” (The machine that changed the World), de Womack, Jones e Roos, publicado em 1990 nos EUA. O conceito central do pensamento Lean propõe a eliminação dos
nove desperdícios presentes nos processos produtivos (espera,
superprodução, transporte, estoque, habilidades intelectuais, retrabalhos/defeitos, processamento e movimentação)que desviam a organização do seu objetivo principal: entregar o máximo de valor ao cliente utilizando a menor quantidade de recursos possíveis. Como mencionado anteriormente, grandes empresas, responsáveis pela produção em massa, lançaram mão das metodologias e ferramentas disponíveis do Lean para aprimorarem seus processos e
permanecerem competitivas no mercado obtendo resultados bastante significativos. Apoiando se em casos de sucesso obtidos
a partir da implantação da filosofia Lean em grandes empresas, é plausível afirmar que a mesma poderia trazer benefícios similares para MPE’s pela busca do aumento de sua competitividade. Contudo é irrefutável a existência de diferenças entre as estruturas físicas e gerenciais das empresas de grande porte e das MPE’s, tornando se necessário evidenciar tais diferenças que implicam diretamente na
adoção do Lean em MPE’s. Tendo em vista o exposto, o presente
artigo tem como objetivo o levantamento dos principais desafios encontrados nas micro e pequenas empresas na adoção da
filosofia Lean em seus processos, bem como a discussão e elucidação das ferramentas do pensamento Lean que melhor se adéquam à realidade dessas empresas.

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo