Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

Gestão

Você conhece os impactos ambientais de sua empresa?

Comunicação Ietec

Todos os anos são despejados na atmosfera cerca de 50 bilhões de toneladas de CO2, resultado da atividade industrial e de indivíduos. Hábitos de consumo, utilização de energia para a produção em grande escala são algumas das ações que colaboram para o preocupante quadro das mudanças climáticas. Logo, a reversão deste cenário está intrinsecamente ligada a uma postura pró-ativa de toda a sociedade.

O inventário de emissão de gases de efeito estufa permite às empresas conhecerem qual o impacto ambiental direto e indireto de suas atividades. Uma vez detectado o problema, pode-se traçar um caminho de redução à emissão de gases poluentes.
 
Conhecer as emissões de gases de efeito estufa hoje é vital para o futuro dos negócios. Atitudes pró-ativas, através de metas voluntárias de quantificação, redução e neutralização da emissão de gases poluentes que aumentam o efeito estufa, contribuem não somente para o desenvolvimento sustentável do planeta, mas, também, para a competitividade nos negócios. Ao reduzir o desperdício com emissões de gases nocivos, as empresas reforçam o seu comprometimento com o meio ambiente e também com a sociedade.
 
“Não podemos ignorar o impacto positivo de um inventário como este. Ao adotar esta estratégia, as empresas assumem um importante papel perante o meio ambiente sem deixar de lado as oportunidades do mercado de carbono. Ou seja, investir em meio ambiente pode gerar lucro sim”, garante o gerente de projetos da MundusCarbo Soluções Ambientais e instrutor do Ietec, Henrique de Almeida Pereira.
 
Na corrida pela redução das emissões de gases de efeito estufa, empresas precisam investir na capacitação de seus colaboradores. Mais ainda. Conscientizá-los sobre a importância da atuação individual de cada um na busca pelo desenvolvimento sustentável.
 
Uma das maiores empresas do setor de papel do Brasil, a Celulose Irani, foi a primeira empresa do país a certificar seu inventário de gases de efeito estufa de acordo com a norma internacional ISO 14.064. Em 2006, a Celulose Irani emitiu 102 mil toneladas de carbono. Em 2007, a industria retirou da atmosfera 638 mil toneladas. Suas atividades são consideradas carbono-neutras, já que a Irani retirou mais carbono da atmosfera do que emitiu.
 
A remoção de gases poluente só foi possível em função do grande volume de florestas plantadas aliado a geração de energia limpa. Do total de energia consumida pelas atividades da industria, 81% é de geração própria, proveniente de três hidroelétricas e duas termoelétricas à base de biomassa. Em 2005, com o projeto de co-geração de energia, a Irani foi a primeira empresa do setor de papel e celulose do Brasil e a segunda no mundo a ter créditos de carbono emitidos e comercializados pelo Protocolo de Kyoto.

O inventário de carbono da Celulose Irani seguiu as orientações da norma ISO 14.064, GHG Protocol e IPCC 2006 Guidelines for National Greenhouse Gases Inventories. “A política ambiental das empresas precisa seguir as normalizações e protocolos instituídos. Por isto é importante que gestores busquem a atualização destes temas. Um deles é o Global Report Initiative (GRI), um dos modelos de apresentação de relatórios corporativos de responsabilidade socioambiental”, explica Pereira.
 
Outro objetivo do inventário, além de orientar a redução do impacto ambiental, é procurar identificar oportunidades de novos projetos de geração de créditos de carbono. “Buscamos com a certificação dar confiabilidade e credibilidade às informações e estratégias da empresa, manter um controle padronizado do inventário, proporcionando uma gestão mais eficaz do balanço de carbono”, diz Péricles Pereira Druck, Diretor Superintendente da Celulose Irani.
 
A ArcelorMittal Tubarão também se destaca na busca pela compensação e neutralização de gases nocivos a meio ambiente. Foi a primeira siderúrgica a obter, em 2006, junto à Organização das Nações Unidas (ONU), o registro para a comercialização de créditos de carbono. Nesse caso, trata-se de um projeto de geração de energia elétrica a partir da recuperação do gás gerado na aciaria da ArcelorMittal Tubarão durante a produção de aço. Ao longo de 10 anos, esse processo evitará a emissão de aproximadamente 500 mil toneladas de CO2 - principal gás do efeito estufa - na atmosfera.
 
A ArcelorMittal Belgo desenvolve três projetos de MDL, associados ao uso de biomassa renovável: o início de produção, em 2007, de dois altos-fornos a carvão vegetal na unidade localizada em Juiz de Fora (MG), o Programa Produtor Florestal - que prevê a formação de florestas de eucalipto e manejo florestal por parte da ArcelorMittal Brasil Florestas juntamente com produtores locais - e a construção de Unidades de Produção de Carvão. Esses projetos podem reduzir as emissões em 10 milhões de toneladas de CO2, entre 2008 e 2015, além de gerar emprego e renda para a comunidade local da Zona da Mata de Minas Gerais.

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo