Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

Riscos

Como a gestão de riscos obtém resultados para uma organização

Leonardo de Mendonça Soares

Pós-Graduado em Gestão de Projetos pelo Ietec

Como o mercado dos negócios está cada vez mais competitivo, as organizações estão adotando as melhores práticas de como desenvolver os seus produtos sem que haja desperdício de tempo, custo e qualidade. Com isso é cada vez mais visível que para conseguir uma melhor qualidade, um melhor custo e uma entrega em tempo hábil para o cliente, as organizações estão adotando um cuidadoso plano de risco para tentar evitar que problemas inesperados acabem alterando a qualidade do produto final a ser entregue ao seu cliente. O trabalho focará em mostrar como o gerenciamento de risco dentro da organização diminui as chances do projeto ser interrompido antes de sua conclusão.

1. INTRODUÇÃO

No ambiente empresarial os riscos estão cada vez mais sendo identificados em todos os processos que envolvem a empresa, sendo ele com os negócios atuais ou em oportunidades de negócios futuros.
As empresas estão investindo cerca de 3 a 5% de seus faturamentos em prevenção e minimização dos riscos. Os riscos sendo identificados  estão ajudando os gestores a tomarem à decisão mais precisa em quais investimentos à empresa  deva entrar e qual nicho de mercado ela deverá atuar. Os riscos mais identificados são:

1. Riscos relacionados à estratégia que está focada em como as organizações estão tratando seus assuntos organizacionais, desenvolvimento dos seus produtos, estratégia, formação das equipes e o valor dos preços dos produtos.
2. Riscos financeiros que estão sempre presentes e deverão ser monitorados de perto, pois ao avaliar as finanças é que se pode planejar um investimento, adquirir novas empresas e realizar novos projetos.
3. Riscos tecnológicos são os riscos que podem ocorrer caso a empresa não possua uma equipe de tecnologia da informação  que realize back-up dos dados, uma rede protegida do ambiente externo sendo imune a ataques de vírus e ataques de concorrentes buscando informações sigilosas da empresa.
4. Riscos operacionais que são a habilidade de criar e monitorar os processos que envolvem o negócio da empresa. Obter uma certificação ISO e SAS 70 ajuda à empresa a manter a qualidade de seus produtos e serviços.
5. Riscos ao meio ambiente estão sendo reavaliados, pois as multas, indenizações e perda de imagens estão cada vez mais sendo avaliadas pelo o governo e os concorrentes de mercado tentando obter maior sustentabilidade para poder operar com seus produtos dentro das leis ambientais.

2. IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO

Com os riscos identificados podemos classificar como eles irão impactar em nossa organização por isso devemos medir se o impactos deles ocorrerem são baixo, médio ou alto. Os gerentes e diretores com a estrutura analítica de riscos (visão gráfica dos projetos) poderão identificar com antecedência quais são os riscos que cada pacote de trabalho do projeto apresenta e quais ações serão tomadas para tratar os riscos como, por exemplo, se eles serão prevenidos, aceitos, minimizados ou transferidos para uma equipe terceirizada.

Com a estrutura analítica de riscos definidas, podemos criar a matriz de probabilidade e impacto, onde poderemos visualizar as descrições dos riscos numerados. Qual a prioridade do risco ocorrer, qual o impacto que ele irá causar caso aconteça, quais as ações que serão tomadas, quais são os responsáveis por tratar dos riscos definidos e como será feito o monitoramento do risco. Com isso podemos verificar se o projeto que estamos planejando é um projeto de alto, médio ou de baixo riscos e se é viável levar o projeto a diante.

Quando está se implantando uma cultura de riscos na empresa o gestor deverá sempre estar atento a cultura da empresa, pois toda organização possui características diferentes sendo necessário o gestor conhecer todas as áreas da empresa antes de tomar qualquer medida para tentar mitigar os riscos. O gestor deve se preocupar primeiramente em buscar no histórico da empresa quais os projetos que foram de sucesso e quais projetos não teve um bom rendimento, podendo assim ter uma base para começar a montar a sua estratégia.

Para implantar uma gestão eficaz de risco que traga resultado positivo, o gestor deve levantar a cultura da empresa, estudar as variações que podem ocorrer internamente e externamente, realizar simulações para poder visualizar com antecedência os riscos que poderão ocorrer, e em seguida montar uma matriz de vulnerabilidade onde podemos visualizar através de gráficos como andam os riscos identificados pelo gestor. Segue abaixo um exemplo:

Com base na matriz podemos montar um quadrante estratégico onde podemos classificar os riscos listados em 4 quadrantes.

1. Riscos de Alta probabilidade que podem impactar de forma muito agressiva ao projeto.
2. Risco de media probabilidade mais que poderá ser muito custosa a empresa, deve-se monitorar de forma rotineira.
3. Riscos de media probabilidade mais que causa pouco impacto a empresa.
4. Risco de baixa probabilidade e pouco impacto na empresa.

Podemos pegar como exemplo uma lista de riscos de uma transportadora ao transportar maças com o valor da carga em 100.000.

Ao analisarmos os riscos e colocarmos na matriz podemos ter a visão real dos riscos quais são as probabilidades do mesmo ocorrer e a partir disso tomar as decisões cabíveis.

3. CONCLUSÃO

A busca das empresas por métodos e ferramentas que ajudam a realizar um planejamento mais detalhado dos projetos e processos que ocorrem na empresa está cada vez mais em evidência, onde o grande negocio é administrar os riscos e transformá-los em oportunidade. Com isso as empresas estão podendo se projetar mais em projetos futuros e realizar novos investimentos sem que possa conter risco a organização.

4. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos, PMBOK Guide. Newtown Square, Pennsylvania, USA, 2004.
VARGAS, R. Manual Prático do PLANO DE PEOJETO, 3ª Edição. São Paulo.
COCURULLO, A.; VANCA, P. A importância da gestão de riscos nos processos de auditoria, 1ª Edição; São Paulo.

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo