Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

Construção

Metodologia para Gestão do Escopo em Projetos da Construção Civil

Patricia Rodrigues Balbio de Lima

Arquiteta e Urbanista pela UFMG. Mestre em Engenharia das Estruturas pela UFMG. Pós-Graduada em Gestão de Projetos pelo Ietec.

Em projetos da construção civil a variedade de combinações possíveis entre necessidades das partes interessadas e condições de exposição do empreendimento é de difícil quantificação, o que dificulta em um primeiro momento a definição dos requisitos e critérios de desempenho a serem atendidos pelo empreendimento para torná-lo viável. O envolvimento do cliente e de outras partes interessadas durante a fase de iniciação aumenta a probabilidade de sua propriedade compartilhada, aceitação da entrega e satisfação geral.

Contudo em projetos desenvolvidos para a construção de edificações observa-se que o usuário tem pouca ou nenhuma participação nesta fase inicial do projeto. Além disso para o equacionamento dos parâmetros qualidade e custo por vezes algumas necessidades do cliente final são desconsideradas. Durante todo o desenvolvimento do projeto, o planejamento e controle do escopo se tornam condicionantes para a se atingir a satisfação dos clientes. Palavras - chave: planejamento, controle, escopo.

2 Objetivos

O que se pretende com esse artigo é enfatizar a importância do gerenciamento do escopo como forma de obtenção de sucesso do projeto e discutir a metodologia do PMBOK aplicada a projetos da construção civil.

3 O escopo do projeto

O escopo do projeto é a definição do projeto, qual o objetivo de todas as ações que serão tomadas deste momento em diante para se chegar a um fim. E, portanto é necessário que este fim esteja bem definido e seja também bem compreendido por todos.

É importante que um projeto inicie através de algumas considerações, quais sejam:
• Objetivos do produto e do projeto;
• Características e requisitos do produto e serviço;
• Critério de aceitação do produto;
• Limites do projeto;
• Entregas e requisitos do produto
• Restrições do projeto
• Premissas do projeto
• Organização inicial do projeto
• Riscos iniciais definidos
• Marcos do cronograma
• EAP inicial
• Estimativa aproximada de custos
• Requisitos de gerenciamento de configuração do projeto
• Requisitos de aprovação

Segundo o PMBOK (2004) esses itens devem ser documentados em uma Declaração Preliminar do Projeto que dará inicio ao Processo de Gerenciamento do Escopo do Projeto.

4 Gerenciamento do escopo do projeto

O gerenciamento do escopo do projeto inclui os processos que irão garantir que seja  realizado todo o trabalho necessário, e somente ele, para executar e terminar o projeto com sucesso. O gerenciamento do escopo do projeto trata principalmente da definição e controle do que está e do que não está incluído no projeto.
Segundo o PMBOK (2004) são cinco os processos do gerenciamento do escopo do projeto:
1 – Planejamento do escopo – criação de um plano de gerenciamento do escopo do projeto que documenta como o escopo do projeto será definido, verificado e controlado e como a estrutura analítica do projeto (EAP) será criada e definida.
2 – Definição do escopo – desenvolvimento de uma declaração de escopo detalhada do projeto com base para futuras decisões do projeto.
3 – Criação da EAP – subdivisão das principais entregas do projeto e do trabalho do projeto em componentes menores e mais facilmente gerenciáveis.
4 – Verificação do escopo – formalização da aceitação das entregas do projeto terminadas.
5 – Controle do escopo – controle das mudanças no escopo do projeto.

5 Planejamento do escopo

Como foi dito anteriormente o planejamento do escopo do projeto influenciam o sucesso total do projeto. Isso significa que para cada projeto deve ser utilizadas ferramentas, fontes de dados, metodologias, processos e procedimentos, dentre outros fatores, para garantir o correto dimensionamento e determinaçõa das atividades do escopo, de acordo com o tamanho, complexidade e importância do projeto.

Em projetos para a construção civil a definição do escopo precede a fase de orçamento, contudo ainda nesta fase normalmente ocorre alterações do escopo já que o custo normalmente é uma restrição ou premissa. É importante, entretanto, não perder o foco do empreendimento nos clientes e por isso a definição do escopo preliminar deve ser bem analisada e documentada.

6 Definição do escopo

O PMBOK (2004) explica que a preparação de uma declaração do escopo detalhado do projeto é essencial para o sucesso do projeto e é desenvolvida a partir das principais entregas, premissas e restrições, que são documentadas durante a iniciação do projeto, na declaração do escopo preliminar do projeto.

Para projetos da construção civil não basta a definição do escopo detalhado do projeto se não houver também uma especificação clara e detalhada do produto. Piçarro (2008) destaca a importância de especificarmos claramente ambas as características (o que deve ser entregue e como será entregue) para obtermos a satisfação plena do Cliente.

Normalmente o produto da construção civil é definido sem a consulta ao cliente direto, já que este que será o futuro usuário do espaço nem sempre está definido na fase inicial. Portanto é importante utilizarmos ferramentas e técnicas que nos auxiliem nesta definição. O PMBOK (2004) sugere as seguintes ferramentas e técnicas:

1. Análise de produtos - a análise de produtos inclui técnicas, como decomposição do produto, análise de sistemas, engenharia de sistemas, engenharia de valor, análise de valor e análise funcional.

2. Identificação de alternativas – a identificação de alternativas é uma técnica usada para gerar diferentes abordagens para executar e realizar o trabalho do projeto. Diversas técnicas de gerenciamento geral são frequentemente usadas aqui, sendo as mais comuns brainstorming e pensamento lateral.

3. Opinião especializada – cada área de aplicação possui especialistas que podem ser usados para desenvolver partes da declaração do escopo detalhada do projeto.

4. Análise das partes interessadas identifica a influência e os interesses das diversas partes interessadas e documenta suas necessidades, desejos e expectativas. A análise então seleciona, prioriza e quantifica as necessidades, desejos e expectativas para criar os requisitos. As expectativas que não podem ser quantificadas, como a satisfação do cliente, são subjetivas e envolvem um alto risco de não serem realizadas com sucesso. Os interesses das partes envolvidas podem ser afetados de forma negativas ou positiva pela execução ou término do projeto e também podem exercer influência sobre o projeto e suas entregas.

7 Criação da EAP (Estrutura Analítica do Projeto)

 A criação da EAP formaliza o escopo e o torna mais gerenciável na medida que grandes pacotes de trabalho são decompostos e partes menores. A partir desta decomposição se torna mais simples estimar custos e prazos e também monitorar e controlar o andamento do projeto.

A estruturação da EAP pode assumir diversas formas de acordo com o tipo de projeto, como ser organizada no primeiro nível por fases, ou por principais entregas e subprojetos ou ainda usar diversas abordagens dentro de cada ramo da EAP. Em empreendimentos da construção civil podemos separar como principais: a fase de documentação e desenvolvimento dos projetos (design) e a fase da construção. Sendo que a decomposição da fase de construção e posterior planejamento das atividades com prazo, duração e recurso tornam-se o próprio cronograma da obra.

Para o caso especifico da construção civil convém que a EAP englobe tanto as atividades necessárias para gerenciamento do projeto como as atividades necessárias para realização do produto, como forma de gerenciamento integrado das alterações de escopo e acompanhamento da execução.

8 Verificação do escopo

A verificação do escopo do projeto é o processo de obtenção da aceitação formal pelas partes interessadas do escopo do projeto terminado e das entregas associadas. Inclui a revisão das entregas para garantir que cada uma delas foi terminada de forma satisfatória.

9 Controle

Mudanças no escopo do projeto são inevitáveis, isso ocorre de forma mais intensa em projetos de edificações residenciais, quando o cliente não teve a oportunidade de participar da definição do escopo e especificação do produto, como já foi mencionado anteriormente. Assim torna-se necessário algum tipo de processo de controle de mudanças para garantir que todas as mudanças solicitadas e ações corretivas recomendadas sejam processadas. O controle do escopo do projeto monitora os fatores que criam mudanças no escopo do projeto e controlar o impacto dessas mudanças.

Piçarro (2008) enfatiza que o preço de uma falha nesses cuidados (especificação do escopo do produto e do projeto, assim como a confirmação por parte do cliente) é o desperdício do esforço de todo um time ou empresa. O prêmio de se especificar com clareza (do ponto-de-vista do Cliente) e controlar as alterações no produto e no processo de produção é a economia de recursos e satisfação imediata do Cliente.

10 Conclusão

Fica claro a importância do gerenciamento do escopo no resultado dos projetos da construção civil, tendo impacto direto na satisfação do cliente, no ganho da empresa em qualidade, prazos de execução e economia de recursos. Cabe ainda as empresas perceberem essa importância e dirigirem mais esforços nas ações de planejamento, monitoramento e controle do escopo.

11 Referência bibliográfica:

PIÇARRO, C.A. Entender e Fazer-se Entender para Satisfazer um Cliente. 2008. Disponível em: < http://www.techoje.com.br/site/techoje/artigos_autor/artigos/228>. Acesso em: 07 fev.2008.

PROJECT MANAGEMENT INSTIUTE. Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos, PMBOK Guide. Newton Square, Pennsylvania, USA, 2004.
 

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo