Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

:: Gestão de Projetos

12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos: em busca das melhores práticas

Cínthia Nascimento Coelho

Revista Ietec - nº 27 - Agosto a Outubro

No primeiro dia do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos, o diretor-presidente da Vallourec & Sumitomo Brasil (VSB), Otávio Sanábio, iniciava sua apresentação com um tema bastante pertinente: como o cenário mundial afeta projetos e empresas. Sanábio tem expertise neste assunto.
 
À frente da construção da usina da VSB, Sanábio tem enfrentado os efeitos colaterais da instabilidade econômica mundial com cautela. Apesar de garantir que a crise já era prevista antes mesmo do início das obras, o executivo investe em metodologias capazes de minimizar a tempo os efeitos das oscilações do mercado. Entre as metodologias adotadas pela VSB está a Gestão de Projetos.
 
Entender como a VSB e outras empresas estão lidando com a crise foi o objetivo do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos que reuniu executivos e especialistas em torno de temas como o impacto da crise em projetos, a gestão de riscos e de pessoas e a análise de capital. O evento aconteceu nos dias 7 e 8 de julho, em Belo Horizonte, sob a coordenação do Ietec.
 
“Em um momento em que estamos com recursos escassos, decisões precisam ser bem avaliadas. Neste aspecto, a metodologia vem nos oferecer o suporte necessário através de experiências bem sucedidas na aplicação da metodologia”, explica o coordenador do encontro e também dos cursos de Gestão de Projetos do Ietec, o PMP Clênio Senra de Oliveira.

Para o gerente de projetos da Itambé, Rodrigo Souza, o evento pode ser considerado produtivo, “uma vez que ele possibilita aos profissionais de projetos uma referência no acompanhamento de outras iniciativas desenvolvidas pelas organizações”. Opinião semelhante da analista de projetos da Unimed-BH, Flávia Costa Nunes que acrescenta: “Hoje temos necessidade de crescimento e amadurecimento no uso da metodologia, principalmente no que se refere à capacitação”.
 
Não há dúvidas que um novo alinhamento nos negócios passa a ser essencial no atual contexto. “Agora, com a questão da crise e da competitividade, projetos têm que satisfazer e atender aquilo que foi previsto como diretriz pela governança corporativa” afirma o Gerente Geral de Projetos Especiais da Votorantim – Peru, e ex-aluno de pós-graduação em Gestão de Projetos pelo Ietec, Paschoal Cataldi.

Vitrine de iniciativas
 
Durante o seminário, chegou-se a um consenso: o Brasil tem mostrado excelente desempenho na  gestão e execução de grandes projetos. Além da construção da usina da Vallourec & Sumitomo Brasil, outros exemplos de sucesso foram apresentados: a gestão de portfolio de projetos da ArcelorMittal, o gerenciamento de pessoas da Santa Bárbara Engenharia, os projetos em sinergia com a Governança Corporativa da Votorantim e a implantação e gerenciamento de PMO da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – Chesf.
 
Enio Bergoli, secretário de Estado Extraordinário de Gerenciamento de Projetos do Espírito Santo, apresentou os resultados alcançados pelo Estado através da Gestão de Projetos. Há dois anos, o governo do Espírito Santo investe em gerenciamento intensivo de projetos e o Estado se tornou o primeiro a ter uma secretaria específica para gerenciamento de projetos. Atualmente, a secretaria trabalha com aproximadamente 400 projetos.

Por meio do gerenciamento intensivo de projetos, foi possível para o Estado aplicar em 2008 94% dos recursos previstos. Um dado que o secretário considera relevante para a administração pública. O governo conseguiu também reduzir prazos de seus projetos e antecipar riscos.

“Ao fazer uma análise do uso desta ferramenta em nossa gestão, concluímos que é possível ser público sem deixar de ser eficiente. Quando você adota modernas ferramentas de gestão, o Estado cumpre verdadeiramente o seu papel ético, que é retornar para a sociedade, na forma de obras e serviços, o que a sociedade investe no governo, na forma de tributos”, afirma Bergoli.

O ambiente interno e a eficiência dos projetos

Estar atento ao ambiente interno das empresas é a chave para o gerenciamento eficiente de projetos. O superintendente de Planejamento da Manutenção da Cemig, Flávio Doehler, ao tratar das alianças estratégicas em projetos, destacou a cultura das organizações como condição essencial para um ambiente propício ao gerenciamento. “A Gestão de Projetos requer um engajamento cultural que auxilie a empresa a utilizar todo o ferramental que é a metodologia”, afirma. 

Para o consultor internacional em projetos, Wagner Oliveira, a atual crise econômica mundial altera todo o processo de gestão de pessoas. Não basta ser bom. É necessário ser cada vez melhor. “Este choque de realidade trouxe uma perda natural de produtividade das pessoas. Por isto, é preciso adaptar a gestão de pessoas à uma nova realidade, principalmente no que se refere a formação dos profissionais, manutenção e retenção de talentos”.

É justamente a qualificação profissional o grande gargalo da Gestão de Projetos hoje nas organizações, de acordo com o diretor-presidente da Vallourec & Sumitomo Brasil, Otávio Sanábio: “Temos tentando usar todas as ferramentas disponíveis no mercado. Profissionais conhecem a Gestão de Projetos mas têm dificuldades de aplicar a metodologia”.

NEXT

Pioneiro no país, o NEXT é um programa de capacitação exclusivo para empresas que possibilitará aos gestores e profissionais a implantação das melhores práticas de mercado na área de Gestão de Projetos.

O objetivo do programa é otimizar o processo de transformação, gerenciando as resistências e consolidando a cultura de gestão de projetos. “Isto possibilitará um intercâmbio de experiências, onde problemas e soluções comuns são analisados”, explica o gerente de projetos corporativos do Ietec, Paulo Emílio Silva Vaz.
 
Através de análises de mercado, o diretor de Novos Produtos do Ietec, José Ignácio Vilella Júnior, conclui: “empresas não fazem uso adequado do conhecimento que possuem. Por isto o NEXT se baseia no tripé: conhecimento (saber), habilidade (como fazer) e atitude (querer fazer)”.

.......

GESTÃO DE PROJETOS BRASIL

A rede social Gestão de Projetos Brasil, lançada durante o evento, pretende prolongar os debates sobre as melhores práticas na área. O site oferece ao visitante cadastrado acesso às apresentações das duas últimas edições do evento. Além disto, o usuário poderá interagir com outros profissionais da área ampliando, assim, o networking. Para fazer parte da rede, acesse: www.gestaodeprojetosbrasil.com.br e cadastre-se.
 

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo