Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

:: Gestão e Tecn. da Informação

Dez formas da TI conquistar a confiança da área financeira

Revista CIO Brasil
Revista CIO Brasil

 Quase todo CIO convive hoje com problemas para lidar com os executivos que não estão ligados diretamente à TI dentro das organizações. Muitas vezes, justificar um projeto para esses profissionais tende a ser um desafio. Em especial, por conta da área de tecnologia da informação ser considerada um centro de custos pela maior parte das organizações.

 
No caso específico do CFO (principal executivo de finanças), o conflito dele com o CIO tem origem, na maior parte dos casos, na comunicação. Isso porque, quando o executivo de TI senta na mesa de discussões para aprovar um projeto com a área financeira, ele fala de equipamentos e serviços, mas esquece de que a única coisa que interessa ao departamento financeiro é quanto a iniciativa vai custar.
 
A seguir, seguem dez cuidados que o CIO deve tomar na hora de conversar com o CFO:
 
1 - Pense TCO, não ROI
O pensamento tradicional de ROI (retorno sobre investimento) não costuma funcionar. Para o CFO, esse termo nada mais é do que quanto dinheiro a área vai trazer para a companhia. E, a maioria das iniciativas de TI, não trazem retorno para a organização como o obtido com iniciativas como novas campanhas de marketing ou o lançamento de produtos.
Assim, o ideal é discutir com o CFO o TCO (custo total de propriedade). Isso pode ser utilizado para demonstrar que uma determinada solução pode reduzir custos. Mas, para isso, é necessário oferecer opções, comparações, estudos de caso e exemplos práticos.
 
2 - Computação em nuvem
CFOs adoram ouvir que cloud computing (computação em nuvem) pode economizar custos. Não lute contra isso. O que dá para fazer é direcionar as expectativas dele para os projetos certos de TI. Qualquer executivo da área de finanças entende, por exemplo, que não deve guardar dados de clientes ou informações financeiras sensíveis em uma nuvem.  
 
3- TI verde
De tudo o que se fala sobre TI verde, não é uma surpresa perceber que para o CFO não vai ser estimulado pela simples questão de contribuir com o meio ambiente. Para ele, os projetos sustentáveis só vão existir se eles melhorarem o TCO. 
De novo, é importante construir um discurso baseado em fatos concretos e que tenha como base questões como o quanto a tecnologia verde pode reduzir os custos de energia e de espaço físico
 
4, 5 e 6 – Virtualize, virtualize e virtualize
Este tópico merece três destaques porque ele envolve três diferentes modalidades de virtualização: servidores, desktops e armazenamento. Mas, novamente, a chave aqui é como justificar os projetos.
 
Vamos começar com virtualização de servidores, que é a mais fácil para justificar o TCO. O desafio é fornecer estimativas concretas de economia. Em outras palavras, não dá para chutar os resultados. E muitas vezes o fracasso dos projetos de virtualização deve-se exatamente ao fato de que os resultados obtidos não correspondem aos prometidos. Para não errar nessa análise é necessário realizar uma avaliação formal dos ativos, antes de construir o business case (caso de negócio). E isso não deve ser feito em período com baixo tráfego. 
 
Já no caso da virtualização de computadores, normalmente eles exigem um estudo de caso para alguns anos. Isso porque, é difícil justificar os ganhos de escala com a solução no primeiro ano, uma vez que o projeto exige altos investimentos. No entanto, ao longo do tempo, é possível reduzir os custos para troca de equipamentos e para suporte, manutenção e atualização dos PCs.
 
Finalmente, avalie a nova onda de soluções para virtualização de storage (armazenamento). Elas prometem reduzir o custo com ativos em até 90%.
 
7 – Melhore o conceito de continuidade dos negócios
Três grandes questões (gestão de risco, recuperação de desastres e continuidade de negócios) não têm merecido a devida atenção das empresas pelo fato de ficarem concentradas na liderança de TI, sem a participação dos demais gestores das empresas.
Isso precisa mudar. E a transformação começa pela adoção de um novo plano para continuidade de negócios no qual a TI deve ter um papel central. Para adicionar os passos críticos desse planejamento de processos, é necessário que o líder de TI determine com as unidades de negócio as questões mais críticas equais as prioridades depois de um desastre.
 
Quando os executivos de outras áreas de negócio participam dessa decisão acaba o abismo que existia entre eles e a área de TI e há a possibilidade de melhorar as dinâmicas para reduzir custos, tempo e riscos.
 
8 –Alinhe objetivos
É quase desnecessário dizer que qualquer projeto de TI deveria estar alinhado com os principais objetivos da organização. Contudo, grande parte das iniciativas não é. O que significa que a TI tem de absorver essa missão melhor. 
Mas para alinhar a tecnologia com as metas de negócio há a necessidade de entender como a TI pode ser um diferencial para a entrega de produtos e serviços.
 
9 – Faça reduções proativas 
Quando estuda a organização, o CIO tende a descobrir que existem formas de reduzir grandes quantias de dinheiro com pequenas iniciativas. Um exemplo é melhorar os sistemas para armazenamento e busca de informações dentro da companhia, o que tende a garantir economias significativas com armazenamento.
 
10 – Diminua os custos com o data center
Criar data centers modulares pode ser uma forma de cortar custos. O uso de serviços hospedados ou gerenciados também representa outra alternativa. Essa combinação pode reduzir os custos com expansões, o que pode trazer uma economia de até 40% com custos de refrigeração.
 

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo