Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

Gestão de Projetos

Projeto do ano 2009: ex-aluno do Ietec recebe prêmio nacional

Comunicação Ietec

Embora o cenário econômico de 2009 tenha se arrastado a passos lentos (quando não engatava a marcha ré), muitos dos investimentos nacionais em grades projetos permaneceram fortes. Impulsionada pela forte concorrência e com visão de longo prazo apurada, a indústria automobilística foi um dos setores que se destacaram em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, alem da reestruturação dos antigos.

É o caso das empresas do grupo Fiat. A pedido Fiat Powertrain Technologies (FPT), a Comau do Brasil concluiu, em 2009, o projeto Linhas de Montagem Cabeçote, Short-Block e Long-Block para Motores Fire II, eleito o 3º melhor do país em 2009, de acordo com premiação realizada pela revista MundoPM. À frente do projeto, o gerente engenheiro mecânico, PMP, pós-graduado em Gestão de Projetos e com MBA em Gestão de Negócios pelo Ietec, Delmer Aguiar Cesário.

De acordo com Cesário, o objetivo inicial era conceber três linhas de montagem em 12 meses e mediante investimento de aproximadamente R$ 35 milhões. Ao final do projeto e após a implantação de todas as alterações solicitadas, entretanto, foram gastos 18 meses e quase R$ 43 milhões. Tudo previamente acordado com o cliente.

“A gestão de escopo foi minuciosa. Qualquer mudança nos planos era contabilizada. Desta forma, os impactos das alterações no cronograma e no valor eram imediatamente informadas ao cliente. O gerenciamento transparente foi um dos diferenciais”, afirmou.

Outro ponto destacado pelo gerente de projetos foi o ineditismo da ação. Esta é a primeira vez que um projeto da Comau é 100% gerenciado em solo nacional. “Algumas partes foram desenvolvidas na Argentina, outras na Itália. O gerenciamento, entretanto, foi todo brasileiro”, comentou.

Recursos humanos - Ao todo, 208 pessoas integraram o projeto, entre colaboradores internos e externos: 1 project manager, 3 coordenadores de projeto mecânico (líderes técnicos), 3 coordenadores de projeto hardware e software (líderes técnicos), 2 coordenadores de montagem, 1 chefe de canteiro, 2 auxiliares técnicos, 58 projetistas, 2 analistas de gestão de materiais, 4 responsáveis de produção, 62 montadores mecânicos, 48 eletricistas, 22 montadores hidráulico / pneumáticos.

Preparação -
Aplicar corretamente a gestão de projetos foi fator fundamental para integrar todos os processos e, consequentemente, para o sucesso do projeto. Cesário explicou que o primeiro contato mantido com a metodologia baseada no PMBOK foi por meio do Ietec, a partir da Pós-Graduação em Gestão de Projetos, em 2006. Logo após a conclusão, em 2007, ele complementou o curso com o MBA em Gestão de Negócios (único de Minas Gerais classificado entre os melhores de TI do Brasil, segundo ranking da Você S.A) e, pouco tempo depois, em fevereiro de 2008, fez o Preparatório para o Exame PMP.

“Durante a pós-graduação em Gestão de Projetos que fiz no Ietec cheguei a comentar que seria excelente se eu conseguisse aplicar um terço do que foi estudado. Hoje posso dizer que aplico o conteúdo inteiro. Sem a metodologia, este projeto não chegaria ao final com sucesso”, enfatizou.

A declaração de Cesário é compartilhada por especialistas do mais diferentes segmentos. Entretanto, apesar de o mercado ter apostado na gestão de projetos como um dos propulsores da economia no pós-crise, a falta de profissionais qualificados ainda é um entrave, conforme afirmou o coordenador da pós-graduação em Gestão de Projetos do Ietec, Clênio Senra.  

“Apesar dos diversos debates e encontros relacionados à gestão de projetos, me surpreendo com as empresas que ainda não descobriram que existe uma forma melhor de gerenciar seus projetos”, disse.

Prêmio - Empresas dos mais variados segmentos inscreveram-se no prêmio Projeto do Ano 2009. A empresa Chemtech, do grupo Siemens, ficou em primeiro lugar com o projeto Engenharia de Pré-Detalhamento (FEED Integrado) de 27 Unidades de Processamento do Complexo Petroquímico do Rio de Janeirodo (CompeRJ), gerenciado por Daniel Moczydlower. Foram envolvidos 430 funcionários e investidos cerca de R$150 milhões. Em segundo, o projeto GOL NF da Volkwagem do Brasil, conduzido pelo Marco Bottacin, mediante aporte de aproximadamente R$ 1,2 bilhão.

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo