Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

Gestão e Tecnologia da Informação

Empresas incubadas: aporte de R$ 84 mi

Diário do Comércio - 05-02-2010



Através do Programa Primeira Empresa Inovadora (Prime), 1,4 mil novos empreendimentos já receberam metade dos R$ 120 mil não-reembolsáveis disponíveis para o primeiro ano do programa. A verba foi liberada pelas 17 incubadoras-âncoras, todas sob a chancela da Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec). As instituições têm a função de administrar os recursos da ordem de R$ 230 milhões, dos quais cerca de R$ 84 milhões foram liberados em dezembro.

A liberação do restante dos recursos deve acontecer em maio deste ano. Para conseguir obter a verba, as empresas devem encaminhar um relatório completo das atividades desenvolvidas até então. Posteriormente, os agentes locais decidirão pela liberação, ou não, da segunda parcela, também fixada em R$ 60 mil para cada um.

As empresas que atingirem as metas estabelecidas nos planos de negócios poderão também candidatar-se a um empréstimo do Programa Juro Zero e poderão ser alavancadas por outros programas da Finep, em especial o programa Inovar Semente.

De acordo com a vice-presidente da Anprotec, Francilene Procópio Garcia, Minas Gerais ocupa lugar de destaque no que se refere ao apoio a novos empreendimentos. Não por acaso, três das 17 incubadoras-âncoras beneficiadas com a verba do Prime são de Minas Gerais.

"Foram mais de 3 mil empresas, 17 incubadoras e, obviamente, Minas Gerais ocupa lugar importante em todo este contexto", enfatiza Francilene Procópio. Duas destas incubadoras estão na Capital (Biominas, com 78 empresas e Fumsoft, com 118) e outra no Sul de Minas Gerais, em Santa Rita do Sapucaí (Inatel, com 66 empresas incubadas), totalizando 262 novos empreendimentos beneficiados só em Minas Gerais.

Anprotec - A Anprotec foi criada em 1987 com o objetivo de dar o suporte às incubadoras de empresas, ambiente onde novos empreendimentos podem se desenvolver de forma competitiva no mercado.

A entidade promove diversas atividades com o objetivo de fomentar o desenvolvimento dos novos negócios, entre elas está a integração entre as incubadoras de vários estados, além das redes temáticas, como a de biotecnologia. O objetivo é estimular a troca de conhecimento entre as empresas.

De acordo com Francilene Procópio, a Anprotec possui um portal através do qual é possível acompanhar o desenvolvimento e atuação das incubadoras e parques tecnológicos.

"Conseguimos medir o nível de maturidade, como estão se desenvolvendo, a interação entre elas. Todos estes dados podem ser verificados, o que facilita a atuação da Anprotec no que se refere à articulação destas redes", conclui.
 

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo