Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

:: Inovação e Criatividade

Anpei propõe novos mecanismos para alavancar a inovação nas empresas

Anpei - 02/07/2010

O presidente da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei), Carlos Calmanovici, entregou na última quinta-feira (01/07) ao ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, um documento com sugestões para implantação concreta de novos mecanismos para alavancar a inovação, no qual o setor privado assuma efetivamente o protagonismo no segmento.
 
Nos últimos seis anos, a participação desse setor na totalidade de investimentos realizados em inovação está estagnada em 47%. Em contrapartida, em países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, esse índice chega, em média, a 62%.
 
"Esse número é um alerta porque sem inovação não há competitividade nem modernização sustentável dos parques industriais, resultado em prejuízo à economia e, principalmente, a toda a sociedade", pondera Calmanovici, acrescentando que essa defasagem, em um futuro próximo, poderá comprometer a atuação que o Brasil possui hoje no cenário mundial, posicionando-se em nível menos competitivo em relação à China, Rússia, Índia e aos países desenvolvidos como Estados Unidos, Japão e várias nações europeias. "Temos que reverter essa tendência", ressalta.
 
Nesse sentido, o documento elaborado pela Anpei enfatiza as principais conclusões resultantes de uma dinâmica de trabalho com a contribuição de mais de 500 participantes, em sua maioria composta por empresários e gestores de departamentos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação, além de representantes de universidades, instituições científicas e tecnológicas e órgãos governamentais, na X Conferência Anpei, realizada em abril último na Federação das Indústrias do Paraná, em Curitiba.
 
Uma das principais questões abordadas no documento refere-se aos incentivos nacionais, estaduais e municipais para o fomento à inovação, entre as quais, a expansão dos mecanismos atuais, com critérios e conceitos mais abrangentes de inovação e a criação de novas linhas de apoio e fomento para o desenvolvimento e o fortalecimento da capacitação técnica, gerencial e executiva das empresas.
 
Ainda neste tópico está incluída a concessão de melhores condições aos fomentos, incentivos, políticas, taxas de juros para as empresas que se comprometerem a contratar, de forma mais ampla, recursos voltados para a inovação e investirem inclusive na capacitação técnica de seus colaboradores.
 
Outra proposta da Anpei é a criação de Fóruns Permanentes de Incentivo à Inovação, com a participação de representantes do meio empresarial e de todos os órgãos responsáveis pelas políticas públicas de fomento ao empreendedorismo e inovação, tais como os ministérios da C&T e do Desenvolvimento, BNDES, Finep, Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos (Apex), Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Receita Federal.
 
Esses fóruns teriam a função dar dinamismo às legislações, às regulamentações e às políticas públicas relacionadas à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação de forma a tornar a conjuntura mais favorável à adoção de inovação pela indústria, através de processos simples, transparentes e desburocratizados no que se inclui o acompanhamento, o cumprimento de prazos das partes e a definição de indicadores e metas quantitativas e qualitativas para medir o retorno dos investimentos em PD&I.
 
O documento propõe também várias ações para a integração em maior escala das universidades, empresas e Governo, que resguardados os interesses de cada parte, garantam o desenvolvimento econômico e social.
 
Na audiência com o ministro estiveram presentes, além do presidente da Anpei, o secretário-executivo do MCT, Luiz Antonio Rodrigues Elias, o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, Ronaldo Mota, o vice-presidente da Anpei, Guilherme Marco de Lima, e o diretor da associação, Ronald Martin Dauscha.
 
A Anpei representa indústrias que empregam 20 mil pesquisadores, faturamento de R$ 600 bilhões e investimentos de R$ 10 bilhões em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação.
 
 

 

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo