16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos: Formação de Recursos Humanos

Ana Carolina Pacheco

Discutir as tendências em Gestão de Projetos. A proposta do 16º Seminário Nacional em Gestão de Projetos, evento que acontece anualmente há 16 anos, um dos mais reconhecidos do Brasil na área de Gestão de Projetos, realizado pelo Instituto de Educação Tecnológica, IETEC, reuniu cerca de 200 pessoas nos dias 16 e 17 de julho de 2013, e superou as expectativas dos participantes. Profissionais de Minas Gerais, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Pará e Goiás participaram do evento. Foram 24 palestras de profissionais renomados do mercado, divididas por temas. O evento abordou de forma completa tudo que envolve a gestão de projetos no Brasil.

Djalma Bastos de Morais, presidente da CEMIG, uma das maiores empresas de energia do mundo, e ex-ministro das Comunicações, abriu o evento falando sobre gestão de projetos e governança corporativa. De acordo com Djalma, o gestor de projetos é vital para a governança corporativa: “ele é vital porque sem ele praticamente não temos confiabilidade naquele produto que oferecemos ao cliente e não temos confiança suficiente para tornar a empresa grande. Então, o profissional é vital. O profissional competente, o profissional que se dedique, o profissional que vista a camisa da empresa, ele é vital para os nossos objetivos. Nós não podemos abdicar do profissional competente, principalmente naquilo que nós oferecemos ao nosso cliente.

Formação de RH

No painel dedicado à gestão e liderança de pessoas, Silvana Arrivabeni Rizzioli, presidente da União Brasileira para Qualidade e diretora do Centro de Competências Fiat, falou sobre “Liderança na Visão do Executivo” como liderar pessoas e mudanças, e a importância das pessoas para o sucesso dos projetos da organização. Silvana mostrou também quais são as características de um líder e como ele deve agir. Segundo ela, entre outras competências, um líder deve “ser capaz de identificar as potencialidades e necessidades das pessoas, direcionando-as a superar limites, incentivando-as a novos desafios, motivando-as a desempenhar seu papel plenamente.”

O coordenador técnico de Gestão de Projetos do Ietec e ex-presidente do PMI-MG, Ivo Michalick, comentou sobre a procura por esses profissionais no mercado: “A demanda continua muito alta, e a tendência é continuar assim ainda por um bom tempo. Pela questão da globalização, empresas de fora estão vindo para o Brasil e empresas brasileiras fazendo projeto no exterior em projetos muito grandes, que demandam uma equipe de gerenciamento bastante robusta, com muitas pessoas, então eu vejo de maneira bastante positiva”

De acordo com João Carlos Boyadjian, coordenador técnico do MBA em Gestão de Projetos no Ietec e diretor da Cplan: “A gente precisa de pessoas que se organizam, que tenham disciplina, que façam cumprir os planos e entregar o produto conforme os requisitos que foram colocados pelo cliente. Então nós precisamos de cada vez mais profissionais. Não só em obras grandes, em médias e pequenas também. Nós precisamos da figura do coordenador, que é o grande maestro.”

Camila Cristina de Souza Almeida é coordenadora de Recursos Humanos da Milplan Engenharia Construções e Montagens. Ela veio para o evento com o objetivo de levar a gestão de projetos para sua empresa: “A Milplan Engenharia tem a intenção de trazer a gestão de projetos pra dentro da empresa e o meu objetivo aqui hoje é justamente conhecer como essa gestão de projetos pode vir a contribuir para o sucesso da empresa. Qual é a aplicabilidade da gestão de projetos dentro das diversas áreas, dos diversos setores e conhecer mesmo como está a evolução prática disso nas empresas.”

Camila se surpreendeu com a contribuição que a gestão de projetos pode fazer pelas empresas “Eu fiquei admirada com a aplicabilidade da gestão de projetos nas empresas, o nível dos palestrantes é muito bom, o aprendizado que eu tive aqui, com certeza eu vou levar para a empresa. E eu vejo que é um processo crescente que tem evoluído muito rápido e que tudo leva a crer que cada vez mais a gestão de projetos vai estar inserida no meio empresarial, contribuindo para os resultados, e para o crescimento e sustentabilidade da empresa.

O gerente de riscos em projetos de capital da Vale, Wagner Quintão, apresentou a palestra “Metodologias Avançadas em Gestão de Riscos”, ele chamou a atenção para  a importância da gestão de riscos em implantação de projetos. De acordo com Wagner, uma das principais competências para se fazer uma boa gestão de riscos é a disciplina: “A partir do momento que você reconhece possíveis riscos, você tem que traçar alguns planos para que o mesmo não aconteça. Então eu acho que a disciplina é um dos pontos fundamentais na gestão de risco.”

Ele disse que a gestão de riscos ainda é uma área que necessita de desenvolvimento no Brasil: “O brasileiro vai até certo momento reconhecendo esses riscos, mas, trabalhá-los, que é a grande importância desse processo, muitas vezes é deixado de lado. Então é importante mostrar para os participantes a importância de realmente não só identificar o risco, mas tratá-los dentro das medidas possíveis.”

Simone Andrea Vicentini é Analista de Projetos da COPEL, Companhia Paraense de Energia, e trabalha no escritório de projetos corporativo da empresa: “A COPEL vem desenvolvendo esse trabalho de gerenciamento de projetos desde 2007, mais ou menos. Inicialmente, nós tivemos a implantação do escritório de projetos na área de TI, depois passamos para um escritório de projetos na diretoria de distribuição e hoje nós temos um escritório de projetos corporativos, além de uma unidade de escritório de projetos de TI.” Segundo ela, os profissionais da área devem estar sempre atentos às novidades do mercado: “Um profissional altamente capacitado, que busque sempre novos conhecimentos através de participação em seminários nacionais e internacionais, workshops.”

Resultados Empresariais:

Flavio Campos, CEO da Tractebel Engineering para a América Latina, abriu o último painel do evento “Gestão de Negócios e Projetos: Resultados Empresariais”. Flavio apontou para a importância de uma boa gestão dentro da empresa: “Nosso negócio é projeto de engenharia, ou seja, o produto técnico que nós estamos entregando para um cliente. Mas eu não consigo entregar um bom produto dentro das especificações adequadas de qualidade e de preço dos recursos disponíveis, se eu não tiver uma gestão muito eficaz.” Para ele, encontrar as pessoas corretas para determinado projeto é imprescindível: “Eu acho que o êxito de um projeto bem formatado, um atendimento adequado ao cliente, depende de conseguirmos montar uma equipe com as pessoas corretas, nas suas posições mais adequadas. Essa é uma dificuldade, é difícil de se fazer isso, nem sempre se encontram as pessoas, mas o entendimento dessa necessidade é uma coisa muito importante.

O superintendente de tecnologia da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração – CBMM, Rogério Contato Guimarães, falou sobre a gestão de projetos na empresa: a utilização do nióbio e sustentabilidade, tecnologia e desenvolvimento de mercado, e sistema de gestão. O envolvimento nos projetos de gestão e principais ganhos, estratégias da empresa e programas da empresa. Rogério comentou sobre a importância de se buscar qualificação na área. “Nesse mercado, o fato de buscar a capacitação é de extrema importância. Então, a gente nota uma latência grande de oportunidades que vão sendo surgidas e precisamos ter essa forma de capacitação geral.” Rogério apontou a formação de pessoas como uma dificuldade da área: “Esse é sempre um ponto de atenção: a formação dos profissionais, seja em nível técnico, seja gerencial, corporativo, que é o nosso caso, buscando cada vez mais uma integração de todos os níveis, através de uma formação, tanto acadêmica, quanto de gestão, que leve com que nós obtenhamos nossos objetivos.”

 

Para o presidente da Cemig, Djalma Bastos de Morais, o seminário é importante porque leva para um conjunto de profissionais, preocupações com governança. “Eu mostrei inicialmente na palestra o que é o nosso grupo Cemig: eu acho que é importante ao profissional tomar conhecimento de como gerir uma empresa que quer ser grande.”

Opção para profissionais de todas as áreas

A área de projetos, vista anteriormente como área específica das engenharias e tecnologia da informação, vem ganhando espaço entre profissionais de áreas totalmente diversas. Profissionais com capacitação em áreas específicas e que se interessam pela gestão de projetos na sua área de atuação devem ficar atentos para as oportunidades do mercado.

De acordo com Alabá Cristina Amaral de Campos, gerente de Gestão de Pessoas do grupo Orteng, para trabalhar com gestão de projetos não existe formação específica: “Tudo é projeto. Então você precisa de pessoas habilitadas em gerir projetos no segmento de energia, siderurgia, de mineração, de alimentos, de transporte, e realmente você tem que buscar um profissional que já conhece o seu segmento para que você tenha um melhor resultado.”

Segundo ela, “a gestão de projetos está para todos os negócios, para todos os segmentos e para todas as áreas. Não importa se você é engenheiro, se você é psicólogo, se você é nutricionista ou trabalha na área de alimentos, de aviação, porque todo mundo trabalha com o objetivo de desenvolver e de entregar um resultado, que está baseado dentro de um projeto. Então esse tipo de projeto mostra essa pluralidade, pessoas de diversas áreas, de diversos segmentos buscando o mesmo objetivo que é ter maior produtividade no seu trabalho.”