A importância do Analista de Negócio na tomada de decisão em uma empresa

Rossini Coelho Salomão

 Pós-graduado em Gestão de Processos e Análise de Negócios pelo Ietec

 

 

RESUMO

O presente artigo tem por objetivo demonstrar a importância estratégica e operacional do analista de negócio em uma empresa. São apresentadas ferramentas/técnicas, baseadas nas boas práticas defendidas por instituições como o PMI (Project Management Institute) e o IIBA (International Institute of Business Analysis), que amparam boas tomadas de decisão nas organizações e que podem também ser empregadas para apontar as incongruências das práticas usuais nas empresas frente a esse importante processo. A metodologia adotada constitui-se de referência bibliográfica. O resultado principal diz respeito à necessidade das empresas possuírem um profissional capacitado em análise de negócios a fim de tornar efetivos os cada vez mais necessários processos de tomada de decisão nas organizações.
 
Palavras-chave: Análise de Negócios; Analista de Negócio; Tomada de Decisão, Empresas, Ferramentas, Técnicas.
 
1 INTRODUÇÃO
 
Numa empresa são tomadas diversas decisões diariamente, na atualidade o meio corporativo é muito dinâmico, exigindo cada vez mais mudanças e nem sempre as organizações dão a devida atenção ao processo de tomada de decisões, resultante da necessidade de mudar. Por vezes os colaboradores não enxergam que sua decisão é de extrema importância para a empresa e em função disso não dedicam tempo para uma análise prévia, cuidadosa e detalhada.
 
São vários os fatores internos e externos que influenciam nas decisões, tornando-as difíceis e complexas. Para agravar ainda mais a complexidade, as empresas tomam decisões ligadas ao estabelecimento de metas e objetivos com foco nos departamentos (foco local) e sem visão global da empresa.
 
Como os fluxos dos processos de negócio atravessam horizontalmente os vários departamentos, o estabelecimento de metas e objetivos com foco local acaba por gerar um clima de competição entre os setores, cada um focado em suas metas particulares, disso resulta o não cumprimento das metas e objetivos da empresa.
 
O volume e a complexidade das decisões nas organizações são originários do volume e da complexidade das mudanças internas e externas que pressionam a gestão do negócio a definir um novo rumo para as operações da empresa, ou seja: tomar decisões. Quando os processos de negócio da empresa não estão bem definidos e gerenciados, a constante necessidade de mudanças gera retrabalho, queda de produtividade e perda de desempenho financeiro. A sobrevivência da empresa, no presente e no futuro, passa a viver sobre constante ameaça.
 
Esse contexto exige de gerentes e gestores uma visão analítica e focada que proporcione a perfeita identificação do real problema, suas causas raízes, para então encontrar a melhor solução e – não menos importante – definir como implementar essa solução. PORTO e BANDEIRA (2006, p.03), citando MAXIMIANO (1995, p. 83), evidenciam o posicionamento de MINTZBERG (1973) sobre a importância das habilidades gerenciais ligadas a tomada de decisão:
 
Este autor afirma que a tomada de decisão sob condições de incerteza, constitui-se em uma das habilidades mais importantes para um gerente. Assim sendo, o tomador de decisão assume um papel fundamental nas organizações, pois o processo decisório deve levar a organização à otimização de seus recursos, redução dos custos, elevação de desempenho e ganhos de resultados.
 
Uma tomada de decisão errada pode ser a causa da falência de uma empresa ou do fracasso de um projeto. As organizações necessitam estabelecer um processo gerencial interno para cuidar desses momentos delicados. E as boas práticas da análise de negócios oferecem metodologia, técnicas e ferramentas para transformar o momento de mudança numa oportunidade de melhoria e crescimento da organização.
 
 
 
Clique aqui e baixe o PDF deste artigo.