Mercado de TI em alta: escassez de mão de obra qualificada é entrave

Comunicação Ietec

Embora a crise financeira tenha retraído os investimentos de empresas dos mais diversos setores, a Tecnologia da Informação atravessou praticamente ilesa o período de turbulências e deve seguir em expansão, conforme apontou um estudo realizado pela International Data Corporation (IDC). Somente no ano passado, as pequenas e médias empresas investiram mais de US$ 13 bilhões em TI, valor que deve ser superado no acumulado de 2009.

Para atender às necessidades do mercado, o número de vagas na área sofrerá elevação de em média 6,8%, quatro vezes mais do que o índice de evolução total do mercado de trabalho no país, acompanhando os resultados dos exercícios anteriores. A previsão, segundo o relatório, é de que até o final de 2013 pelo menos 2,7 mil novas empresas de TI sejam criadas, gerando mais de 1 milhão de oportunidades de trabalho.

“Empresas que já atuam neste segmento no Brasil apresentaram crescimentos superiores a 30% no primeiro semestre deste ano e caso consigam sustentar uma boa taxa de sucesso de entrega destes serviços, estabilidade dos sistemas e satisfação de seus clientes, abrirão grandes oportunidades para a venda de aplicações por meio da computação em nuvem nos próximos anos”, afirmou Reinaldo Roveri, gerente de pesquisas da IDC Brasil.

Apesar de o mercado estar em franca expansão, a falta de pessoal qualificado para ocupar as vagas ainda é um dos principais entraves do setor. Na avaliação do Superintendente Administrativo do Grupo ARG e coordenador do curso Gestão e Tecnologia da Informação do Ietec, Antônio de Pádua Pereira, a procura dos profissionais por qualificação é visível. Esse movimento, de acordo com ele, é reflexo da percepção de que a pós-graduação, por exemplo, conta pontos na hora de contratar.

O diretor-presidente da Synos Technologies, Nelson Serranegra de Paiva, segue na mesma linha de raciocínio. De acordo com ele, 40% dos funcionários da empresa possuem pós-graduação.

“Na hora de contratar, damos preferência a quem possui pós graduação. Não é obrigatório, mas é desejável”, disse. Paiva enfatizou, ainda, que 90% dos profissionais que ocupam cargos gerenciais e estratégicos na empresa têm pós-graduação.

Tendências - Como principais tendências para 2010, a IDC identifica os serviços de outsourcing de TI e sistemas que permitam melhor controle dos negócios, como implementação e upgrade de sistemas avançados de gestão (ERP) e Business Intelligence, integração de sistemas e bases de dados e consultorias para a implementação de governança de TI. A explosão da demanda por espaço em datacenters também alavancará o segmento

Outros serviços em alta em 2010 serão relacionados à continuidade dos projetos de adequação a leis e normas regulatórias, consolidação e integração de infra-estrutura de TI, com especial foco em virtualização, VoIP e atualização de call centers. O relatório também leva em conta que 2010 será ano de eleições, o que trará um certo nível de conservadorismo para os investidores e empresas que atuam no país e um redirecionamento de prioridades de investimentos do segmento governamental, mas prevê que com o cenário político definido, os investimentos em TI no Brasil deverão passar por um período de forte aceleração a partir de 2011.

Cabe ressaltar que a pesquisa faz parte do estudo IDC Brazil IT Services Tracker, realizado com base em metodologias de pesquisa usadas mundialmente pela companhia e informações levantadas junto a diversas fontes, entre elas executivos de mais de 80 das maiores empresas prestadoras de serviços de TI no país, que respondem por mais de 75% da receita total deste mercado.